Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


IMPRESSO PARA CANDIDATURA CORPOS SOCIAS




calendário

Junho 2006

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


RESPOSTA AO PROJECTO PILOTO DE AVALIAÇÃO EXTERNA ESCOLAS

Domingo, 11.06.06
Projecto-piloto de avaliação externa das escolas
05 De Maio de 2006
 
O Ministério da Educação deu início, neste ano lectivo, a um processo de avaliação externa de um grupo restrito de agrupamentos e escolas, tendo em vista o alargamento deste procedimento a todos os estabelecimentos da educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário.
 
O objectivo da generalização da avaliação externa prende-se com o desenvolvimento de uma cultura e prática de avaliação em todo o sistema educativo, considerada essencial para o processo de autonomia das escolas, cujo desenvolvimento pressupõe a responsabilização e a prestação regular de contas.
 
Para dar início a este processo, o ME convidou os agrupamentos e as escolas que já tinham anteriormente desenvolvido um processo formal de auto-avaliação a apresentarem uma candidatura à fase-piloto de avaliação externa.
 
Nessa candidatura, os estabelecimentos tinham de mencionar os resultados da auto-avaliação efectuada, bem como enumerar os pontos fortes e fracos identificados, devendo, relativamente a estes últimos, apresentar o plano de acção a desenvolver para os superar.
 
Foram seleccionadas para esta fase-piloto 24 escolas, tendo em conta, além dos aspectos acima enunciados, critérios relacionados com a diversidade da amostra, nomeadamente quanto a aspectos regionais, contextos socioeconómicos, níveis de ensino e dimensão dos estabelecimentos.
 
As escolas e os agrupamentos seleccionados vão ser alvo de um processo de avaliação externa, que contempla a avaliação presencial por peritos designados pelo grupo de trabalho constituído com o objectivo de estudar e propor modelos de auto-avaliação e avaliação externa das escolas e, ainda, de criar condições para o aprofundamento sustentado da autonomia das escolas.
 
Este grupo de trabalho, coordenado pelo professor Pedro Guedes de Oliveira, tem como principais atribuições:
  • Definir os referenciais para a auto-avaliação dos estabelecimentos de ensino;
  • Definir os referenciais para a avaliação externa dos estabelecimentos, tendo em conta que do processo deverão resultar classificações claras dos estabelecimentos de ensino e recomendações que permitam preparar a celebração de contratos de autonomia;
  • Aplicar os referenciais de auto-avaliação e avaliação externa a um número restrito de estabelecimentos (entre 20 e 30);
  • Definir os procedimentos, o calendário e as condições necessárias à generalização da auto-avaliação e da avaliação externa aos restantes estabelecimentos de ensino;
  • Produzir recomendações para uma eventual revisão do actual quadro legal, tanto em matéria de avaliação, como de autonomia de escolas.
 
Para mais informações, consultar o Despacho Conjunto n.º 370/2006, de 3 de Maio
Fersap (António Amaral)
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Escola Qtª Morgados às 20:31




Contador de Visitas