Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


IMPRESSO PARA CANDIDATURA CORPOS SOCIAS




calendário

Março 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


EXAMES 4º ANO

Sábado, 16.03.13

Alunos do 4.º ano não farão exames nacionais nas respectivas escolas

Segundo noticia avançada pelo Público...

O Ministério da Educação e Ciência (MEC) está a avisar os directores escolares de que deverão “congregar” no mesmo espaço, nomeadamente nas escolas-sede dos respectivos agrupamentos, “o maior número possível de alunos” do 4.º ano que, em Maio, vão fazer os exames nacionais de Matemática e Português.

Albino Almeida, da Confederação das Associações de Pais (Confap), critica a medida, “que vai perturbar as crianças de nove anos e o trabalho das escolas que as acolhem”, mas admite que ela é “inevitável”.

“Talvez o Governo perceba, de uma vez por todas, que a confusão, a perturbação e até a despesa provocadas pelas provas nacionais do 4.º ano estão longe de corresponder aos benefícios”, comentou Albino Almeida nesta quinta-feira.

Apesar de considerar criticável que os alunos sejam deslocados para a escola sede para fazer os exames de fim do 1.º ciclo, que este ano se realizam pela primeira vez, o representante dos pais admite “que não seria fácil fugir-lhe”.

“Deveremos ter cerca de 100 mil crianças no 4.º ano. Mesmo juntando-as nas escolas-sede, estamos a falar de uma gigantesca operação logística, tendo em conta que as provas terão de ser entregues, no próprio dia, por militares da GNR, como acontece nos casos de exames nacionais realizados noutros níveis de ensino”, lembrou.

O MEC justifica a opção pelas maiores “exigências de segurança e equidade” a que este novo figurino das provas obriga, de forma a garantir que “a avaliação se realize nas melhores condições”.

Os dirigentes das duas associações de directores de escolas, Manuel Pereira e Filinto Lima, não tinham hoje recebido ainda a notificação da Direcção-Geral dos Estabelecimentos Escolares. Frisaram, contudo, que a concentração dos alunos que têm provas de Português e de Matemática no final do 1.º ciclo do ensino básico, a 7 e 10 de Maio, respectivamente, levanta inúmeros problemas.

“O que é que eu faço nesses dias aos alunos que têm aulas na escola-sede? Mando-os para casa?”, questiona Filinto Lima, dirigente da Associação Nacional de Directores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP).

Manuel Pereira, da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE), disse querer saber quem vai pagar e assegurar o transporte das crianças. Director do agrupamento de escolas de Cinfães, lembra que há alunos que vivem a 35 quilómetros da escola-sede, que terão de ser percorridos por estradas em mau estado de conservação. “Não é caso único: a situação é semelhante à das restantes localidades do interior do país”, frisou, quando contactado pelo PÚBLICO.

Dois vigilantes por prova
No ofício que está a chegar às escolas, a administração escolar sublinha que “para que a organização e acompanhamento do serviço possam ocorrer no respeito pelas normas e orientações do Júri Nacional de Exames, importa conhecer urgentemente a rede de escolas onde se irão realizar as provas” e pedem que as informações sejam fornecidas, “impreterivelmente, até 18 de Março de 2013”.

Recorda ainda que a vigilância dos exames deverá ser assegurada por dois professores, escolhidos de entre os que não leccionam o 1.º ciclo e os que não pertencem a um grupo de docência da disciplina sobre a qual incide a prova. Para além disso, terá ser criado um secretariado de exames residente no estabelecimento onde estas efectivamente têm lugar, frisa.

Neste primeiro ano em que os alunos fazem exames no final do primeiro ciclo, está estipulado que os alunos do 4.º ano que chumbarem na primeira fase terão a possibilidade de repetir as provas a 9 e 12 de Julho. Quem estiver nesta situação terá um período de acompanhamento extraordinário, já depois do final do ano lectivo. Este apoio não tem carácter obrigatório.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Escola Qtª Morgados às 09:56




Contador de Visitas